APP Cemig Atende

Baixe na App Store

Baixe na Play Store

Clique aqui Clique aqui

Cemig desenvolve projeto de P&D para contribuir no combate a incêndios

.Tecnologia utiliza câmeras para monitorar vegetação do estado em tempo real

A Cemig está investindo no desenvolvimento de um projeto para inspecionar as áreas de vegetação e combater incêndios no estado. Será criado um site para monitoramento de incêndios ambientais, unindo inteligência artificial e interação voluntária da sociedade. Trata-se do P&D “D0619 – Monitoramento ambiental por visão computacional aplicado a situações reais”, proposto pela companhia dentro do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A iniciativa vem sendo executada desde o ano de 2018, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Gaia Soluções em Engenharia. A previsão de conclusão do projeto é ainda em 2021.

O monitoramento ambiental por meio de câmeras digitais conectadas à internet pode prevenir falhas no sistema elétrico, evitando que incêndios alcancem a rede e ajudando a proteger áreas de preservação ambiental. É o que explica Carlos Alexandre Meireles do Nascimento, engenheiro da Cemig e gerente do projeto pela companhia. “O projeto surgiu do intuito de aproximar a sociedade do setor elétrico, permitindo o monitoramento ambiental via web agregado ao fornecimento de energia para a população”, afirma.

Um protótipo de funcionalidade do site já foi desenvolvido e opera em caráter experimental com mais de 100 voluntários já cadastrados. Disponível no endereço “apagaofogo.eco.br”, a página permite que o usuário assista a vídeos em tempo real e, confirmando focos de incêndio, acione o Corpo de Bombeiros com apenas um clique. Esta interação ajuda a treinar a inteligência artificial empregada na ferramenta, que já conta com detecção automática de focos de fumaça e fogo, utilizando aprendizado profundo de máquina, tecnologia que está prestes a superar a visão humana na detecção de incêndios.

Atualmente, o sistema conta com uma câmera monitorando a mata da UFMG e três câmeras monitorando o Parque Estadual Serra Verde, em Belo Horizonte. Diversos focos de incêndios já foram identificados pelo software, sendo dois deles de grandes proporções no parque Serra Verde. “No final do ano passado, mais duas câmeras foram implantadas na UniverCemig, no município de Sete Lagoas, para disseminação interna da ruptura tecnológica desenvolvida”, comenta o gerente do projeto.

No momento, a UFMG forma dois doutores e um mestre no tema do projeto, além de equipar laboratórios e gerar publicações científicas. Já a Gaia, em processo de licenciamento da tecnologia “apagaofogo.eco.br”, irá agregar um novo produto ao seu portfólio, com possibilidades de comercializar a tecnologia com empresas como Vale, Samarco e Raízen.

Próximos passos

Para a conclusão do projeto, estão previstos o aprimoramento do site, incluindo um aplicativo de celular para melhor notificação e interação voluntária com o usuário, e a incorporação ao sistema de câmeras de monitoramento ambiental no Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, nos municípios de Belo Horizonte, Nova Lima e Brumadinho, além do contínuo aprimoramento da rede neural utilizada para detectar incêndios.

Os softwares do projeto foram registrados no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e encontram-se em fase de licenciamento para comercialização. “Existem diversas possibilidades de extensão do projeto, como processamento no local das câmeras e uso de drones no combate aos incêndios, que serão devidamente consideradas no momento oportuno por meio de novos projetos de P&D”, avalia Carlos Alexandre.

A iniciativa tem o custo total da ordem de R$ 2,3 milhões. A Cemig contribuiu com cerca de 81% desse valor, por meio de recursos do programa de P&D regulado pela Aneel.

Marcas Cemig