Skip Navigation LinksPortal Cemig » pt-br » A Cemig e o Futuro » Sustentabilidade » Nossos Programas » Ambientais » Irapé » Vale do Jequitinhonha
Vale do Jequitinhonha
 
No Nordeste de Minas Gerais, está o Vale do Jequitinhonha com uma forte tradição cultural, embora seja uma das regiões mais pobres do Estado. Banhado pelo Rio Jequitinhonha e seus afluentes, o vale ocupa uma área de 62,9 mil km² onde vivem 977,8 mil pessoas, de acordo com o último Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
A maior parte do solo é árida, sendo castigada regularmente por secas e enchentes. Apesar desse problema, a agropecuária é uma das principais atividades econômicas da região. A população economicamente ativa é de 404,4 mil pessoas, sendo que 178,9 mil estão no campo.
 
Embora a indústria ocupe apenas 50,9 mil pessoas é uma importante fonte de recursos do município. A indústria traz a maior contribuição para o Produto Interno Bruto (PIB) da região.
 
No passado, a região era formada por florestas e habitada por tribos indígenas. No Vale do Jequitinhonha produz-se criativo artesanato em cerâmica, tecelagem, cestaria, esculturas em madeira, trabalhos em couro, bordados, pintura, desenho, música. Os principais pólos da atividade cerâmica são as cidades de Itinga, Araçuaí, Santana do Araçuaí, Turmalina, Caraí, Itaobim, Taiobeiras, Padre Paraíso, Joaíma e Minas Novas.
 
Os trabalhos com barro, tão característicos do Vale, têm origem no trabalho das mulheres chamadas de paneleiras. A tradição foi passando de mãe para filha pelas diversas gerações trazendo até os dias de hoje belíssimas moringas, vasilhas, panelas e potes.
 
 No início, as mulheres produziam figuras para adornar presépios e brinquedos. Atualmente, produzem, também, peças decorativas: figuras humanas, animais, cenas do cotidiano, tipos, usos e costumes da região.
 
Rio Jequitinhonha
 
É o recurso natural mais importante do Vale do Jequitinhonha. A bacia abrange grande parte do Norte de Minas Gerais e pequena parte do Sudeste da Bahia. A área compreende 63 municípios e abarca 11,3% da área de Minas e 0,8% da Bahia. O Rio Jequitinhonha nasce na Serra do Espinhaço, a sul da cidade de Serro, nos arredores da localidade de Capivari, sopé do Morro Redondo.
 
Sua bacia confina a norte com a Bacia do Rio Pardo; a sul, limita com a Bacia do Rio Doce; a sudeste, situam-se divisores do Mucuri e de várias pequenas bacias independentes; a oeste, o Maciço do Espinhaço é divisor da Bacia do Rio São Francisco; e a leste, situa-se o Oceano Atlântico.
 
De acordo com o estudo Diagnóstico Ambiental da Bacia do Rio Jequitinhonha, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a bacia configura-se como um desafio para as políticas governamentais pelas características físicas particulares de clima e relevo, associadas às condições socioeconômicas, sobretudo de saneamento básico. Dos 157,7 mil domicílios da região, apenas 68,2 mil têm o lixo coletado.

 

Fale com a Cemig : ligue 116   |   0800 721 0116   |   Deficientes auditivos: 0800 723 8007

Copyright Cemig - Todos os direitos reservados